Têxteis produzidos de forma sustentável ampliam participação no mercado de decoração

Compartilhe:

Imagem retirada de https://www.terra.com.br/noticias/dino/texteis-produzidos-de-forma-sustentavel-ampliam-participacao-no-mercado-de-decoracao,eacbca2e1ccc9c33cca8fe393703e186fuq6tux6.html

Na Paraíba, a produção de algodão colorido orgânico certificado tem apenas 25 hectares e, de tão pequena, nem aparece nas estatísticas oficiais de produção de algodão. No entanto, os produtos de decoração derivados da fibra têm se destacado no Brasil e no exterior. Chama a atenção do mercado o cultivo feito na região do semiárido, em sistema de sequeiro, sem irrigação e nenhum tipo de irrigação, adubo ou inseticida sintético.

O plantio é feito por meio de compra garantida por pequenas indústrias e confecções. Uma delas é a Santa Luzia Redes e Decoração, localizada em São Bento, no mesmo Estado, e o valor pago por quilo da pluma é o maior do país. "Trata-se reconhecer o valor do trabalho promovendo a permanência das famílias que vivem dignamente da produção rural", explica Armando Dantas, diretor executivo da empresa.

Neste contexto slow living, em que o modo de fazer é tão importante quanto o produto, a empresa vem se tornando referência entre as principais empresas têxteis com foco em sustentabilidade do país. E comemora 32 anos produzindo artigos de decoração com matéria-prima ecológica em teares artesanais e mecânicos. A tecelagem fabrica redes, mantas, xales, cortinas, almofadas, tapetes, jogos americanos entre outros produtos com algodão colorido natural orgânico e também com fios de algodão reciclado e reconfigurados com PET (garrafas de refrigerantes e água).

A mão de obra, composta de profissionais especializados, capricha nos detalhes artesanais -- são várias técnicas dentro da tipologia têxtil executadas à mão, em sua maioria, por mulheres. Elas se organizam em comunidades e trabalham em suas próprias casas equacionando o fazer das tramas, nós e fios com a atenção aos filhos e mantendo viva a tradição do fazer artesanal.

Fonte: Terra