Quem tem pets deve ficar de olho na decoração

Compartilhe:

Imagem retirada de https://www.jornalspnorte.com.br/quem-tem-pets-deve-ficar-de-olho-na-decoracao/

O instinto canino chama e o felpudo começa a arranhar o piso sem parar. Pode ser o piso, o tapete, enfim: é um ritual de antepassados, em que os cães selvagens raspavam o chão com o intuito de cavar o espaço para dormir com mais segurança. Há também outra questão: marcar território, já que o odor acaba ficando no lugar.

Mas imagine chegar e ver o piso de madeira, lindo, laminado e lustroso, todo arranhado? Não adianta nada culpar o pet, viu? Quem tem um cão ou gato sabe que é preciso mudar algumas coisinhas na casa, de modo a tornar a vivência dos pets melhor e evitar problemas como esse acima, aliando modernidade e conforto. Para todos.

O piso, por exemplo, é determinante. Além da raspagem, há outras situações: o pet pode urinar e, com a acidez, corroer pisos de madeira ou laminados. “Se um cliente demonstra interesse por um piso de madeira, sugerimos repensar a escolha, pois o material sofre com os arranhões, deteriora com a acidez da urina dos cães e limita o processo de limpeza, já que não podem lavados”, diz Beatriz Ottaiano, arquiteta da Doob. Nesse caso, a indicação certeira é o porcelanato, que possui vários tipos de acabamento, ou o piso vinílico, mais resistente à água.

As paredes também merecem atenção, já que os pets têm o hábito de esfregarem seus corpos. Tintas acrílicas laváveis são ideais, com cores mais escuras (que disfarçam a sujeira). Se usar papel de parede, opte por versões em vinil.

Em relação aos móveis, evite itens com pontas que possam ferir os pets, já que muitos são bem alegres e extrovertidos e não tem noção de espaço, tamanha a alegria. Estantes, sempre fechadas. Nas cadeiras, o ideal é usar fibras sintéticas, no caso das revestidas em tecido, ou as fabricadas à base de polipropileno ou polietileno, mais fáceis para limpar. Além das cadeiras, é indicada a impermeabilização dos sofás.

Para os gatos, tramas de tecido fechadas são melhores, já que as garras podem estragar o pano de estofados. Nas cortinas, nada de voil ou linho: persianas de rolo são mais duráveis.

As dicas são da Doob Arquitetura (Daniele Okuhara e Beatriz Ottaiano) e Ana Yoshida Arquitetura e Interiores.

Fonte: SP Norte